A história de um negro infiltrado na Ku Klux Klan que virou filme



No dia 17 de agosto estreou um novo filme de Spike Lee - BlacKKKlans - que retrata a história real vivida por Ron Stallworph, detetive negro que se infiltrou na Ku Klux Klan, e viveu uma infiltração de 7 meses em Colorado.


Em 1978, Stallworph viu no jornal um anúncio sobre a organização e enviou uma resposta dizendo que gostaria de participar do movimento. Após duas semanas foi contactado por telefone, e quando lhe foi perguntado o porquê ele desejava participar da facção ele respondeu que queria impedir a “ameaça” que os negros proporcionavam, e isso fez com que ele fosse aceito.


Quando encontros eram necessários, um policial branco que era colega de Ron ia em seu lugar. As informações obtidas ajudaram a impedir vários ataques, incêndios e até atentados a bomba.


No Colorado a KKK dominava o Senado e a Câmara do Estado, possuía membros como o governador do Estado e o prefeito de Denver. Nesse período, Stallworph teve acesso ao telefone intitulado “A voz do Klan” e manteve contato, em busca de novas informações.


O filme é baseado no livro “Black Klansman: Race, Hate and The Undercover Investigation of a Lifetime” e foi lançado no dia em que o primeiro aniversário do movimento de extrema direita Unite the Right, ocorrido em Charlottesville, é completado.