Mais um livro da série Para Entender o Racismo e o Antirracismo.

Buscar aprofundar-se sobre o tema no Brasil pode ser uma tarefa árdua sem minimamente um guia ou orientação básica. O tema raça e negro, passam ao largo da educação oficial brasileira. A série busca auxiliar na democratização, inspiração e disseminação do conhecimento.

O livro de hoje, Negros e Brancos em São Paulo: 1888 – 1988, de George Reid Andrews é leitura obrigatória para todos aqueles que querem entender como se desenvolve o tema raça e mercado de trabalho, principalmente em São Paulo.

Um livro difícil de ser encontrado e com um preço elevado, mas que vale a pena não só a busca como o valor.

George Reid Andrews apresenta a primeira história totalmente documentada da desigualdade racial brasileira, desde a abolição até o final da década de 1980. Na medida em que mostra como as mudanças econômicas sociais e políticas, ocorridas no Brasil nos últimos cem anos, moldaram as relações raciais, contribui para alterar a imagem de “democracia racial” de que nosso país desfrutou durante grande parte do século XX

Não existe no Brasil nenhuma lei de segregação ou apartheid, mas Andrews – a partir das transformações ocorridas em São Paulo – acompanha no tempo a profunda discriminação contra os afro-brasileiros.

No decorrer do processo de transição, de uma economia baseada na agricultura, para a maior sociedade urbana e industrializada da América do Sul, as relações raciais foram afetadas e suas evidências largamente apontadas pelo autor.

O livro concentra-se, num primeiro momento, nas dificuldades encontradas pelos afro-brasileiros para ingressar na classe trabalhadora agrícola e urbana, após a abolição. O liberto enfrenta, no mercado de trabalho, a concorrência do imigrante europeu, privilegiado pelas políticas estatais.

No final da década de 1920, com o declínio da imigração, a mão-de-obra negra começa a ser empregada na agricultura e indústria em termos de quase igualdade com a branca.

Com extrema habilidade, Andrews examina os esforços dos negros para ascender à classe média, as dificuldades impostas pelos brancos da classe média que, numa solidariedade racial informal, tendeu a excluir o afro-brasileiros das profissões liberais e de outros empregos de colarinho branco.

O livro geralmente esta esgotado, mas encontramos alguns volumes na Estante Virtual, acesse clicando aqui: Negros e brancos em São Paulo