Fonte: Valor Econômico

Discursos e posicionamentos em torno da redução da desigualdade evoluíram a partir da implantação de políticas como as cotas raciais para ingresso no serviço público federal (Lei 12.990/2014) e a Lei 12.711 (2012), que passou a reservar 50% das vagas nas graduações a estudantes com ensino médio concluído em escolas públicas. O tema também entrou na agenda de grandes organizações, que vêm criando programas específicos para aumentar a inclusão. Mas, mesmo tendo o acesso à formação de qualidade ampliada, afrodescendentes enfrentam obstáculos para ascender nas grandes empresas em condições de igualdade com seus pares brancos. Somente 4,7% dos cargos executivos das 500 maiores empresas são ocupados por negros, conforme levantamento do Instituto Ethos, de 2016.

Acertos, falhas e caminhos para as políticas de inclusão de negros no Brasil serão aspectos debatidos na Live do Valor desta quarta-feira (7), às 11h, que terá participação de Valdirene Assis, procuradora e coordenadora do Projeto Nacional de Inclusão de Jovens Negras e Negros Universitários do Ministério Público do Trabalho (MPT), e Raphael Vicente, coordenador-geral na Faculdade Zumbi dos Palmares e da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial. A live será conduzida pelas repórteres do Valor Leila Souza Lima, da Editoria Brasil, e Bárbara Bigarelli, da Editoria Carreira. A entrevista pode ser acompanhada pelo site e pelos canais do Valor no YouTube, LinkedIn e Facebook.

Valdirene integra o Grupo de Enfrentamento ao Racismo do Conselho Nacional do Ministério Público, é coordenadora da Coordigualdade do MPT-SP e do Grupo de Trabalho de Raça do MPT-SP. A procuradora esteve recentemente à frente do Afro Presença – evento realizado pelo Pacto Global da Organização da Nações Unidas (ONU), que teve o objetivo de reunir estudantes, organizações e companhias em torno do debate sobre equidade étnico-racial e inclusão de jovens no mercado formal.

Raphael Vicente é advogado, especialista em Direito do Trabalho, mestre e doutorando em Ciências Sociais pela PUC-SP. A Iniciativa Empresarial pela Igualdade, coordenada por ele, reúne 73 grandes instituições, órgãos e empresas que somam faturamento de R$ 1,2 trilhão e mais de 3 milhões de colaboradores. O advogado estuda e pesquisa o tema raça e mercado de trabalho há mais de 15 anos, e atualmente integra o grupo de pesquisadores do Observatório do Racismo da PUC-SP.