A pele que habito me impede de afirmar que no Brasil todos nós vivemos bem

Desigualdade racial é uma realidade brasileira e tem raízes fincadas em terra adubada com medidas criadas para que tudo mude sem que nada se altere

De Ana Cristina Rosa para Folha de S. Paulo

Diante dos debates internacionais sobre racismo, as recentes declarações do trineto do imperador dom Pedro 2º, dom Bertrand de Orleans e Bragança, para quem no Brasil não existem diferenças raciais, ilustram bem a cena nacional. “Enquanto certos países têm um problema racial muito violento, aqui nós não temos. Aqui no Brasil, todos nós vivemos bem.”

Pode até ser que o mito da democracia racial brasileira subsista e faça algum sentido para quem não é negro —especialmente se for descendente de família real e desfrutar das benesses de um sistema estruturado para perpetuar a condição de privilégio racial branco.

Para quem é negro, a história é outra — e bem diferente.