Guineense que vive em SP afirma querer desconstruir estereótipos sobre seu continente de origem
Fonte: Flávia Mantovani
“A África não é um país.” Cansado de ouvir informações distorcidas sobre seu continente de origem, Vensam Iala, 30, achou melhor exibir essa frase óbvia no peito —e em três idiomas diferentes. Natural da Guiné-Bissau, ele vive no Brasil desde 2010 e acaba de lançar uma linha de camisetas com a mensagem-provocação em português, francês e inglês.
“Muita gente tem um olhar estereotipado sobre a África como um lugar único, que só tem mazelas, doenças, coisas ruins. É um recado de que na verdade é um continente com 54 países, com culturas totalmente diferentes, idiomas diferentes, povos diferentes”, afirma. As camisetas são o primeiro produto de uma marca que ele batizou de Visto África, em referência aos vários significados da palavra “visto”: de visão, do verbo vestir e do documento migratório que é “tão difícil de conseguir para os africanos mundo afora”.
Vensam é formado em letras na Unesp e tem especialização em literatura africana de língua portuguesa. Também é ator e modelo: venceu o concurso Mister África Brasil de 2018, que elegeu o mais belo imigrante africano do país. O guineense se interessou pelo movimento negro depois de perceber o “racismo velado” no Brasil: por exemplo, durante seu curso universitário, só teve um professor e outros quatro colegas negros em uma turma de 45 alunos.
Segundo ele, em alguns casos o desconhecimento de que a África é um continente é literal. Mas mesmo pessoas que sabem que não se trata de um único país retratam a região como um lugar homogêneo. “Até em espaços acadêmicos em que, em tese, as pessoas têm acesso a informação, há quem reproduza a ideia de uma África uniforme”, diz. Entre os mitos que percebe sobre o continente, está a ideia de que é um lugar de clima quente o ano todo, com pessoas que dormem em cabanas e têm contato diário com animais selvagens.
“É aquela visão do Tarzan ainda”, diz. “Também me perguntam se falo ‘africano’ ou se tenho HIV. E sempre dizem: ‘Nossa, lá é muito difícil, né? Tenho vontade de ir para lá ajudar as crianças pobres e doentes.” Quando usa a camiseta que criou, muitos desconhecidos vêm conversar com ele, conta. “A galera fica impactada, quer saber mais. Eu contextualizo, explico. É interessante.”
Ele diz que seu público não é só de imigrantes que vêm de países africanos, mas qualquer pessoa que queira “abraçar a causa”. As camisetas, disponíveis para adultos e crianças, custam R$ 50 e estão à venda no Instagram da marca (@vistoafrica). Vensam quer criar mais peças, inclusive com frases em línguas locais de alguns países africanos.
Ele associa suas camisetas com um ditado africano que diz que “até que os leões comecem a contar as suas próprias histórias, as narrativas de caça sempre vangloriarão o caçador”. “A colonização criou uma visão de mundo eurocêntrica sobre a África. Queremos mostrar o continente do nosso ponto de vista”, afirma.
O que Vensam já ouviu:
– “Você fala africano?”- “Vocês moram em cabanas?”- “Vocês veem animais todos os dias?”- “A África é muito quente, deve fazer uns 50 graus lá”- “Só tem negros na África”- “Você fala muito bem português” (ignorando que há países lusófonos no continente)- “Lá é difícil, né? Quero muito ir para a África ajudar as crianças e fazer safári”- “Tem muitas doenças na África? Você tem HIV?”