Criado no século XVI, o estilo de decoração chamado de Blackamoor trazia pessoas pretas sempre em posição de servos. Fosse sustentando objetos ou posando como serviçais, o negro estava sempre colocado em um papel subserviente. A estética racista foi transformada pelo artista americano Kajahl, que criou obras em que pessoas pretas aparecem ainda sustentando objetos, mas em situação de poder e dominação.

– 6 atores e atrizes que são também ativistas do movimento negro

“Moment of Contemplation (Scholar)” e “Oracle (Holding Mirror)”, duas obras de Kajahl para a série “Royal Spectre”.

As obras fazem parte de uma série intitulada “Royal Spectre”, que colocam pretos como alquimistas, estudiosos, astrônomos e em outras profissões de prestígio da época. As pinturas são feitas a óleo e orientam quem as observa a recriar a narrativa opressora de séculos atrás.

– Os desenhos de Arinze Stanley expressam a angústia de ser negro no século 21

A minha fantasia é olhar para a fantasia deles. Eu sou a fantasia deles e eles são a minha. Eu sou o espectro da imaginação deles”, diz o artista de 35 anos, cujo trabalho está em exposição na Monique Meloche Gallery, em Chicago, até o dia 19 de dezembro.

O artista Kajahl trabalha em seu ateliê.

– Artista coloca personagens negros em desenhos clássicos da sua infância

Em seu site, Kajahl diz que a pintura é um lugar onde é possível “atravessar diferentes culturas e temporalidades como forma de desafiar nossas ideias sobre como nos vemos e vemos os outros”.

Suas pinturas nos levam a um tempo anterior à existência da raça, abrindo-nos para o caos e a complexidade, expandindo a periferia em torno de como nos percebemos no passado e no presente.

“Alchemist”

“Huntress in Oasis”

“Oracle (Snake in Globe)”

“Silent Incantation I”

“Silent Incantation II”

“Star Gazer in Solitude”